sábado, 21 de julho de 2012

Polícia está medindo forças com a sociedade. Agora, SP inteiro virou um Pinheirinho!

Precisava escrever um post falando de violência policial.
Vou tentar fazer isso com algum cuidado, escolhendo bem as palavras.
Confesso que sinto medo da Policia de São Paulo. Afinal de contas já fui vitima de violência policial da maneira mais torpe e gratuita, sofrendo ameaças durante um tempo por resistir e denunciar o ocorrido.
E não sou único. Conheço muita gente que diz sentir mais medo da policia do que do bandido. Talvez isso seja um exagero, mas para esta frase se tornar coisa comum nas ruas da cidade é porque as coisas chegaram no limite.
Embora seja sociólogo, não sou teórico do assunto. Existem intelectuais com estudos muito interessantes sobre o tema que poderiam colaborar com muito mais qualidade.
Quero manifestar meu respeito aos policiais honestos, honrados e corajosos que enfrentam perigos cotidianos e não são reconhecidos de maneira adequada pelo governo. Tenho gente na família que trabalha na corporação e admiro muito o empenho e honestidade.
Porém não vou aqui tratar dos indivíduos, mas da estrutura.
Que a policia sempre foi violenta não é novidade para ninguém.
Que torturou, matou, escondeu cadáveres e ofereceu serviços históricos a alguns ditadores que governaram este país, existem documentos nos arquivos públicos e nas universidades para comprovar.
Mas neste último período, o Governo do Estado de São Paulo, por meio de sua policia, não tem feito esforço algum para esconder o seu viés autoritário.
Tendo em vista o comportamento recente da policia de São Paulo, fica a impressão que ela está medindo forças com a sociedade civil.
A recente mobilidade social neste país não ocorreu sem causar resistências e ressentimentos.
A hierarquia de classes e os velhos privilégios parecem estar sob ameaça e geram resistência.
Se o Brasil não conseguiu ainda oferecer aos seus cidadãos condições reais de vida digna com acesso aos principais direitos sociais, a diminuição da desigualdade, ainda que tênue, vem impulsionando mudanças definitivas na nossa sociedade.
A entrada de milhões de brasileiros no mercado de consumo talvez tenha sido a mudança mais notável.
No entanto, existe uma mudança gigantesca que pouca gente se deu conta. É muito difícil de captar porque ela ainda esta no campo do imaginário desta gente.
A igualdade social se tornou um valor cada dia mais presente na vida das pessoas.
Do nosso jeito, cheio de contradições e imperfeições, estamos construindo um novo país. A sociedade brasileira está em ebulição. Se ainda não se trata de uma ebulição política, ao menos estamos vivendo transformações sociais e culturais que inevitavelmente irão refletir no desenho de nossas instituições.
E isso causa arrepio na elite conservadora!
Quando digo que o Estado de São Paulo colocou a policia para medir forças com a sociedade, é porque funciona assim: do lado deles estão os "cidadãos de bem", inevitavelmente pacatos, satisfeitos e silenciosos. Do lado de cá está a massa crítica perigosa. São todos maconheiros, sindicalistas, viados, vagabundos, favelados, traficantes, torcedores organizados, invasores de terra, grevistas, ciclistas, camelôs, detentos, bêbados, boêmios, artistas de rua, professores, arruaceiros, estudantes, vândalos, etc.
E os conservadores sorriem satisfeitos quando a policia desce o porrete em todos estes grupos indesejáveis para o caráter pacifico e ordeiro do nosso estado.
Seja na ocupação da USP, na repressão às manifestações pacificas, na provocação gratuita em eventos sociais ou até mesmo na comemoração das torcidas por seus raros campeonatos conquistados a ordem é sempre a mesma, demonstrar força e impedir esta sociedade de respirar, conviver e acreditar em si mesma.
Ao promover o chefe da operação no bairro do Pinheirinho à Comandante Geral da Policia de São Paulo, o senhor governador deu mostras claras do que ele pretendia para a nossa polícia.
Portanto, escrever cartas de desculpas depois que esta policia executa pessoas inocentes não passa de dissimulação.
O governador anunciou que irá indenizar o empresário morto no Alto de Pinheiros, fuzilado pela policia dentro do seu carro.
Nada mais justo, porém insuficiente para reparar a perda de sua vida.
Mas chega a ser curioso o caráter dessa gestão tucana. A morte de um empresário de classe média alta merece o pronto reconhecimento do estado e pagamento de um valor compensatório. Já a morte cotidiana dos "pretos, pobres e putas" (PPP), sequer merece um pedido de desculpas. Seria porque suas vidas já não valiam nada mesmo, para merecimento de uma indenização?
---
A busca do povo brasileiro por igualdade e justiça social é um caminho sem volta.
Este povo nunca mais irá aceitar ser tratado como gado. Se a violência policial existe, como sempre existiu, chegou a hora dela deixar de existir. A sociedade não admite mais este tipo de comportamento.
Os poderosos deverão aprender a estabelecer outro tipo de relação com seu povo. O mapa político brasileiro está mudando rapidamente e a força política que não se adaptar, irá desaparecer.
Uma população não deve temer sua polícia, mas respeitar e se sentir protegido por ela.
Durante um grande período, a polícia cumpriu a ingrata tarefa de ser o braço do Estado em locais onde não existiam instituições. Foi a principal mediadora de conflitos e regulação das relações entre indivíduos.
Mas estamos em outro patamar agora. O Brasil não precisa de mais policia, precisa de instituições equivalentes ao nosso momento histórico. Precisamos de justiça, não de porrete.
Estamos em 2012. A ditadura acabou há quase três décadas. A presidenta do Brasil já foi um dia  presa e torturada.
Se a Policia de São Paulo continuar medindo forças com a sociedade irá perder! Estão fazendo tudo errado e a história está aí para nos dar exemplos claros.
Agora, São Paulo inteiro virou um Pinheirinho!

12 comentários:

  1. Professor que não gosta de bandido23 de julho de 2012 13:06

    Deixa ver se eu entendi...
    A classe pobre está ascendendo socialmente, aí a elite conservadora fica horrorizada com isso e manda a polícia atacar os pobres... Hummm. "Brilhante" dedução!
    Outra: "gente do bem" são os alienados silenciosos... os outros, que o autor não quis classificar como "gente do mal", são os que pensam e questionam, e aí inclui no balaio de traficante a professor. Acho que você nunca conheceu um bandido, ou é daqueles que acha que ele é um futuro revolucionário que ainda não despertou a consciência social para por-se em luta pela revolução... Que ele é bandido por culpa do capitalismo... Ou seja, você nunca conheceu um bandido... Trabalho desde os 12 anos, sou honesto, filho de retirantes, já passei fome, vivo desde que nasci na periferia, discuto política, sou "consciente", e me recuso a ser colocado do mesmo lado de bandidos e traficantes. Me respeite!
    Polícia medindo forças com a sociedade? A sociedade está apoiando a ação da polícia! Você vai dizer que a população é alienada e seguidora da mídia, mas só diz isso porque ela está contra suas ideias. Ou seja, você não se importa com o que o povo ou a sociedade pensa ou quer, pois você já tem uma crença quase religiosa que classifica as opiniões contrárias como discurso da elite ou de alienados, e só vai aceitar a opinião da sociedade quando ela for igual à sua...
    Bem, escrevi por escrever, pois sei que você já tem todo um discurso pronto para contradizer o que eu disse. Afinal, gente religiosa (fanatismo religioso, político, futebolístico, etc) não consegue entender o ponto de vista discordante, enxerga tudo com maniqueísmo, ou seja, se não está comigo está contra mim, se não é de deus é do diabo, se não é revolucionário é alienado ou da elite... Paciência...
    Óbvio que existe excessos da polícia, que devem ser combatidos, pois essa não deve ser a função dela. Agora, se colocar do lado do bandido e do traficante, que rouba, ameaça e mata gente trabalhadora e DO BEM, aí é misturar tudo e não conhecer as motivações individualistas da bandidagem. Você precisa de um choque de realidade, meu amigo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, está falando por você. Eu não estou apoiando p* nenhuma. Acho que não é a saida ir matando bandidos, porque os que restarem irão querer se vingar mais tarde. É um ciclo sem fim. Você não entendeu direito o que ele disse.O que ele quis dizer é que a polícia está agindo da mesma forma com TODOS, independente de serem criminosos reais ou não.

      Excluir
  2. Quanta besteira junta. Normalmente recebo bem as criticas, mas suas analises são sofríveis. Tanto em interpretar o que eu escrevi, quanto sobre sua visão sobre a sociedade. Também trabalho desde os 13 e também sou filho de migrantes, mas não tenho o monopólio da verdade por causa disso. Recomendo que mande este comentário para algum programa sensacionalista de fim de tarde que ele será bem recebido. Me reservo ao direito de não comentar ponto a ponto suas bobagens. Minha opinião já esta suficientemente colocada neste post.

    ResponderExcluir
  3. E não estou falando de bandidagem, caro leitor. Falo aqui de vida social. Não é porque estou criticando a policia que estou defendendo bandido. Não sei em que momento do texto você leu isso!

    ResponderExcluir
  4. Professor que não gosta de ser classificado do lado de bandidos23 de julho de 2012 15:53

    Entendi... Se eu dissesse que seu texto adolescente é brilhante você não diria que é besteira. Minhas análises são sofríveis, já as suas são brilhantes: é o novo Karl Marx!... Não passei minha ficha para me colocar como dono da verdade, como se só quem sofreu na vida tivesse o monopólio da verdade, você não entendeu o que escrevi - disse isso pra dizer que me recuso a ser colocado do lado de bandidos e traficantes como você pôs no seu texto, alegando que essa é a visão da elite sobre "o outro lado". É a sua visão sobre o que a elite pensa, e isso é achismo, o que por si só já seria sinal de um texto fraco... Não vai comentar minhas bobagens? Eu sei, é como o fanático religioso que é questionado por um ateu sobre sua fé e ele diz que não dá pra discutir porque já disse o que devia, ou que a verdade é a verdade de deus. Entendo.
    Você chama de "massa crítica perigosa", dentre outros, traficantes, torcedores organizados, vagabundos? Traficantes são "massa crítica perigosa"! Brilhante! Pelo visto, nunca conheceu um. Você vai dizer que é o que a elite pensa, não você, mas você é o autor do simplório texto, não? Fez pesquisa de opinião com a elite pra saber se todos pensam assim? Todos da elite acham que ciclistas, por exemplo, são perigosos por fazerem parte da chamada "massa crítica"? Ora! A elite adora pedalar! Você leu que alguns ciclistas morreram atropelados e já os colocou do lado dos que "resistem ao sistema". Seus argumentos são sofríveis.
    Você não lê o que escreve ou escreve sem pensar? Qualquer estudante de ensino médio que sabe ler percebe que seu texto, ao criticar a elite e sua força militar policial, coloca do outro lado os que resistem a ela, inclusive cita traficantes e detentos junto de professores e grevistas. Se foi um comentário do tipo "um exemplo", seu texto foi leviano. Se foi sério, seu texto é muito ruim. Isso não te desmerece, sei que você pode escrever textos muito bons, mas precisa descer do pedestal ideológico e prestar mais atenção a todos os aspectos da vida humana, sem essa coisa infantil de "todo rico é ruim, todo pobre é bom", ou "todos os que se colocam contra o sistema são automaticamente meus aliados". Você pode até dizer que não disse que são seus aliados, mas confio na sua capacidade de ler e entender o que eu escrevo. Afinal, você é um sociólogo formado e pós-graduado... E precisa refletir sobre o que os outros dizem contra suas verdades absolutas. Refletir não é abandonar suas convicções, é reprocessá-las constantemente. Como diria Raul Seixas, "prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela VELHA opinião formada sobre tudo..."
    Transcrevo um trecho seu que você não leu, ou escreveu sem pensar muito, no furor de sua revolta contra a polícia:
    "funciona assim: do lado deles estão os "cidadãos de bem", inevitavelmente pacatos, satisfeitos e silenciosos. Do lado de cá está a massa crítica perigosa. São todos maconheiros, sindicalistas, viados, vagabundos, favelados, traficantes, torcedores organizados, invasores de terra, grevistas, ciclistas, camelôs, detentos, bêbados, boêmios, artistas de rua, professores, arruaceiros, estudantes, vândalos, etc.".

    ResponderExcluir
  5. Você realmente entendeu que eu acho a mesma coisa traficantes, torcedores e professores? Então ta..

    ResponderExcluir
  6. São todos igualmente estigmatizados - no mesmo balaio de gato - é tudo a mesma coisa para quem vê o mundo reduzindo o outro ao tamanho de sua compreensão.

    Obrigado por visitar o blog.

    Volte sempre

    ResponderExcluir
  7. Leis ruins, justiça lenta, impunidade. Salários baixos, corrupção, vista grossa. O problema não é a PM...

    ResponderExcluir
  8. o "professor que não gosta de ser classificado do lado de bandido" custa a entender que é assim que ele é classificado pela polícia/governo/elite... a dicotomia entre "cidadãos do bem" e "pessoas do mal", "de deus" e "do diabo", "comigo" ou "contra mim" é justamente a visão desse setor, muito bem retratada pelo autor do blog... assim como faz a grande mídia, o tal "professor" distorce e deturpa o discurso da oposição, ao invés de aprofundar o debate trazendo argumentos válidos...
    q a coisa não é assim maniqueísta todo mundo sabe, vamos um pouquinho mais além vai... o q queremos (nós, os professores, estudantes, vagabundos, grevistas, vândalos, maconheiros, etc...) é justamente fazer poder fazer parte da sociedade sem ser tratados como se fossemos "o mal".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor que não gosta de ser classificado do lado de bandidos30 de julho de 2012 14:38

      * Quem não concorda com você é porque "custa a entender"... Se eu concordasse aí você diria que entendeu a "verdade". Isso é religião cara, pessoas matam as outras por causa disso!
      * Dicotomia é "a visão desse setor"? Quantas pessoas da polícia/governo/elite você ou o autor do blog entrevistou pra afirmar isso? Todas as pessoas da polícia/governo/elite pensam assim? Isso é o popular "achismo", e "achismos" não qualificam debate algum, pelo contrário!
      * "O tal professor distorce e deturpa" porque vai contra sua visão enviesada ideologicamente? Argumentos válidos seriam apenas os que concordariam com o texto do blog? O que seriam argumentos válidos? Não deu pra entender o que eu disse? Que o texto é maniqueísta, esquemático e baseado em fanatismo ideológico, que o autor parece desconhecer o que é um bandido de verdade fora as outras aberrações já citadas?
      * "Que a coisa não é assim maniqueísta todo mundo sabe". Como assim? Você acabou de dizer que é assim que a polícia/governo/elite pensa (sem provar, no "achismo"...), depois diz que todo mundo sabe que não é assim!!! Preste atenção no que você escreve - diz uma coisa e fala outra?
      * Quando você citou o "nós" no final esqueceu de colocar os traficantes e bandidos citados pelo autor do blog... Não foi por acaso, não é...? Se tivesse citado assumiria o que estou apontando criticamente... Não quis assumir, mas não deu o braço a torcer... A polícia, o governo, a elite te trata como se você fosse o mal? Você está precisando é de psicólogo, mania de perseguição... Até o autor do blog afirmou que nos últimos anos a desigualdade social está caindo. Obra do acaso? A mão de Deus? Ou decisões políticas via programas sociais?
      * E aí? Vamos avançar mais nos argumentos?

      Excluir
    2. O Ricardo já disse tudo e interpretou muito bem o que eu quis dizer.

      O professor deve ser um nostálgico incorrigível!

      Saudações!

      Excluir
  9. Eu, pela última vez, pois é inútil debater com religiosos...2 de agosto de 2012 02:00

    "Dizer tudo e interpretar muito bem" significa "concorda comigo". "Distorcer e deturpar" significa "não concorda comigo". Rebater os argumentos racionalmente? Nenhuma vez! Grandes pensadores! O orgulho não deixa que você reveja suas posições, certo? Você acha que seria um sinal de fraqueza? Nostálgico? Rsrsrsrsrsrsrs... Deixa prá lá, não é? Não rebateram meus argumentos, preferem me desqualificar. É a prática dos que não conseguem debater...

    ResponderExcluir